Glauberovsky Orchestra

Por Emmanuel Mirdad

10 EPs lançados na internet, 64 músicas gravadas, sendo 31 autorais (quase todas inéditas) em 7 meses de trabalho. Eis que o cantor e compositor baiano Glauber Guimarães (ex-The Dead Billies e atual Teclas Pretas) ressurge em intensa produtividade, com a low profile Glauberovsky Orchestra, de um homem só – ele mesmo.

Essencialmente folk experimental, com melodias pop e lugar não-comum, Glauber toca violões, banjo, viola caipira, cavakelele, percussão, caixa de fósforo, trombone de boca, samplers e efeitos diversos, em gravações suas e regravações de grandes artistas (de Tom Waits a Edu Lobo, de Neil Young a Walter Franco) feitas em casa, no melhor esquema low-fi “faça você mesmo”, lançando-as em EPs disponibilizados na internet, sempre com capas e encartes feitos com esmero (em casa também), dando vazão ao artista que sempre foi, desde berço, e que andava meio escondido, numa entressafra do Teclas Pretas (duo que mantém com o músico Jorge Solovera).

Glauberovsky Orchestra surgiu a partir de agosto de 2011, sem pretensão alguma de ser hype ou lançar-se de forma profissional, nas regras do mercado. É apenas isso (e ainda bem): registrar as diversas referências musicais de Glauber, que vão da obscura banda psicodélica Superfine Dandelion aos cânones Beatles e Beach Boys, dos mestres Caetano e Chico ao sertanejo original de Alvarenga e Ranchinho, e as suas composições inéditas e recém-criadas, repletas de sentimentos à flor dos desencontros sentimentais.

Com criativos nomes para os EPs, como “Neuróbica Cha Cha”, “Mepalav”, “Uáu!” e “Carnavácuo”, a Glauberovsky Orchestra cumpre uma importante missão para o múltiplo cenário cultural baiano: dar vazão à inconfundível voz de seu criador. Ácida, sinuosa, dilacerante, uma atriz em diversas interpretações distintas, ao molde de experimentações intrigantes, transmutando o timbre em distorções e freqüências estranhas que não incomodam, mas atraem, faz-se necessário ouvir Glauber Guimarães, a orquestra de uma palha de aço só.

Das versões gringas, Glauber gravou The Beatles, Pink Floyd, Tom Waits, Bob Dylan, John Lennon, George Harrison, David Bowie, Beck, Deep Purple, Beach Boys, Björk, Ella Fitzgerald, Neil Young, The Kinks, David Crosby, Blind Faith, Adam Green, Superfine Dandelion e Slim Rhodes and His Mountaineers. Das nacionais, reformatações para Caetano Veloso, Chico Buarque, Tom Zé, Edu Lobo, Paulinho da Viola, Barão Vermelho, MPB-4, Nelson Cavaquinho, Celly Campello, Walter Franco, Alvarenga e Ranchinho, Lula Carvalho e Teixeirinha.

Conheça a Glauberovsky Orchestra aqui, com download de todos os EPs:

http://glauberovskyorchestra.blogspot.com.br/

 

glauber

 

GLAUBEROVSKY ORCHESTRA | Comp.2014 (CD)

11 canções | folk experimental

.

1653286_10201731811597660_1689253468_n

 

.

1798078_10202659887651068_48575934_n

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s